Vinicius, não o “poetinha”, mas o nosso Santana

Hoje (22)  à tarde . Sol  inclemente. Também pudera, estamos em nossa Petrolina. E mais um nome  querido atendeu ao desejo de muitas pessoas, seus ouvintes, nossos  amigos e   atendeu  ao nosso convite.Era mais uma surpresa para aqueles que aprenderam a gostar desta  radio, que em 50 anos construiu uma  história edificada pela independência  e a credibilidade de milhões  de palavras que se transformaram em frases, formando idéias e ajudaram uma cidadezinha acanhada pela  força do atraso do “interior, o estigma   do ôco da caatinga”,  a se transformar  numa das melhores cidades do interior do  Brasil para se morar, trabalhar, estudar, divertir-se, enfim viver. Petrolina teve seus  dias embalados pelas palavras  fortes de um jovem sonhador, como caboclo deste sertão. Vinicius de Santana,  em pleno vigor de seus poucos anos de  adolescente,  17 prá  sermos mais precisos,acalentou o sonho de ser um grande comunicador social.  Depois  de aprender a conviver com o binômio  microfone  e  povo,  fazendo apresentações em colégios,   cerimoniais, recitando, cobrindo  eventos etc,   Vinicius Santana teve como  norteadores de sua carreira  de comunicador , um time de vencedores que era uma equipe formada  pelo  bispo Dom Antonio Campêlo de Aragão, o padre Mansueto de lavor,padre Bartolomeu e tantos outros.   A cada sermão ouvido, ele aprendeu a beber nesta fonte   inesgotável  da sabedoria, e de lá prá cá,começou sua carreira de comunicador  vitorioso. Foi gerente de programação  da Radio a voz do São Francisco, apresentou excelentes  programas  como o “Paralelo 780” e  outros inesquecíveis, aplaudido por seus ouvintes. Foi este o Vinicius que o  povo aprendeu a amar e ouvi-lo através da ondas  do rádio Am, o maior veículo de comunicação de massas. Valeu Vinicius!!!

Por Franklin Delano

Categorias Destaque