Papa aos rabinos do Cáucaso: defender a liberdade religiosa, banir o antissemitismo

O Papa Francisco recebeu na Sala dos Papas, no Vaticano, nesta segunda-feira (05/11), a delegação de rabinos do Congresso Mundial de Judeus das Montanhas.

Os Judeus da Montanha do Cáucaso, também conhecidos como “Juhuro”, são grupos de judeus do Cáucaso Oriental, sobretudo do Daguestão e regiões do norte do Azerbaijão.

“É a primeira vez que os irmãos judeus desta tradição antiga se reúnem para visitar o Papa. Por isso, o encontro de hoje é motivo de alegria”, frisou o Pontífice em seu discurso.

Memória viva

O Papa recordou que a última vez que se encontrou com a comunidade judaica foi em 23 de setembro passado, durante sua recente viagem apostólica à Lituânia.

“Foi um dia dedicado à recordação da Shoah, setenta e cinco anos depois da destruição do gueto de Vilnius e da morte de milhares de judeus. Eu rezei diante do monumento das vítimas do holocausto e pedi ao Altíssimo para consolar o seu povo”, sublinhou Francisco.

“É necessário lembrar o holocausto, para que o passado permaneça uma memória viva. Sem uma memória viva não haverá futuro, porque se não aprendermos das páginas mais sombrias da história a não cair nos mesmos erros, a dignidade humana permanecerá letra morta.”

 A liberdade religiosa é um bem supremo

Pensando na Shoah, o Papa recordou que em 16 de outubro passado, foram recordados os setenta e cinco anos do ataque ao gueto de Roma, e que no dia 9 deste mês serão lembrados os oitenta anos da “Noite dos Cristais”, “quando foram destruídos vários lugares de culto judeus com a intenção de desarraigar o que no coração do ser humano e de um povo é absolutamente inviolável: a presença do Criador”.

“Quando quiseram substituir o Bom Deus com a idolatria do poder e a ideologia do ódio, chegou-se à loucura de exterminar as criaturas. Por isso, a liberdade religiosa é um bem supremo a ser protegido, um direito humano fundamental, baluarte contra pretensões totalitaristas.”

Banir o antissemitismo

Francisco recordou que “infelizmente, ainda hoje, estão presentes comportamentos antissemitas”. “Como recordei várias vezes, um cristão não pode ser antissemita”, disse ele. “As nossas raízes são comuns. Seria uma contradição da fé e da vida. Juntos somos chamados a nos comprometer para que o antissemitismo seja banido da comunidade humana”, frisou o Papa.

Amizade entre judeus e católicos

A seguir, o Papa destacou “a importância da amizade entre judeus e católicos”. “Fundada na fraternidade que se arraiga na história da salvação, ela se concretiza na atenção recíproca. Junto com vocês dou graças a Deus pelo dom de nossa amizade, impulso e motor do diálogo entre nós. É um diálogo que nestes tempos somos chamados a promover e ampliar no âmbito inter-religioso para o bem da humanidade.”

A esse propósito, Francisco recordou o encontro inter-religioso de dois anos atrás no Azerbaijão, destacando “a harmonia que as religiões podem criar a partir das relações pessoais e da boa vontade dos responsáveis. Eis o caminho”.

Dialogar com os outros e rezar por todos

“Dialogar com os outros e rezar por todos: estes são os nossos meios para fazer surgir o amor onde houver ódio e o perdão onde houver ofensa, e não se cansar de implorar e percorrer caminhos de paz. Hoje, não é o tempo de soluções violentas e bruscas, mas a hora urgente para empreender processos de reconciliação pacientes. É uma tarefa fundamental para a qual somos chamados.”

Francisco concluiu, pedindo a Deus para abençoar o “caminho de amizade e confiança” entre judeus e católicos, e possam “ser artesãos e construtores de paz”.

 

FONTE : VATICAN NEWS

Categorias Destaque Religião