Obsoleto esgotamento sanitário rompe e provoca transtornos e congestionamento na Monsenhor Ângelo Sampaio.

Desde a tarde de sexta feira, (19), um rompimento na tubulação da rede sanitária da Avenida Monsenhor Ângelo Sampaio, nas proximidades de uma loja de material de construção, causou congestionamento e transtornos para quem utiliza aquela via, além da Tancredo Neves e outras transversais para chegar até o centro da cidade.
Detectado ainda na sexta feira, uma equipe da LM Engenharia, empresa que presta serviços a Compesa foi ao local onde trabalhou para solucionar o problema e garantir a normalidade do transito nestas artérias. As bocas de lobo que estão transbordando na Monsenhor Ângelo Sampaio, “foi devido à obstrução que fomos obrigados a fazer, porque no esgoto água vem por gravidade, só assim podemos realizar a substituição de parte da tubulação destruída pela ação do tempo devido o desgaste do material. O material colocado aqui foi manilha de amianto, que já não está mais suportando o peso do solo sobre si. Esse tipo de material não se utiliza mais”, informou Afonso Magalhães, engenheiro responsável pelo serviço.
A equipe da LM Engenharia composta por doze homens e duas maquinas retroescavadeiras e uma caçamba, trabalhou no local, durante todo o dia do sábado, (20) se estendendo até noite, para a troca de parte da tubulação entre as ruas Vila São Francisco e Antonio Santana Filho. “Mas esta tubulação tem que ser toda substituída para que esse problema não se torne constante aqui”, adianta o engenheiro, informando que a rede daquela artéria é uma das primeiras instaladas na cidade. “Como o tubo que estamos colocando é PVC de 500 milímetros, não tem na Compesa, já fizemos o pedido, vamos esperar chegar para trocamos toda esta rede, mas nesta semana que se inicia, vamos retornar para concluir este serviço que por enquanto é um paliativo”, avisou Magalhães.
Lentidão dos serviços
Enquanto os serviços executados pela LM Engenharia foram executados com mais rapidez na Monsenhor Ângelo Sampaio, a Compesa continua tirando o sossego dos moradores e usuários da Av. Paraíba, sentido cruzamento com a Av. São Francisco que ainda está interditada devido a um rompimento na tubulação da rede de distribuição de água. A reportagem da Voz do São Francisco passou no local, na noite deste sábado (20), e verificou que a interdição da avenida continua.
O rompimento aconteceu no inicio da semana que passou danificando a pavimentação da referida artéria. O cano foi trocado, mais a pavimentação ainda não foi recomposta. A demora tem provocado transtornos para os moradores das imediações, além do mais, é iminente o risco de acidentes, principalmente durante o final de semana, quando aumenta o fluxo de veículos, tanto na São Francisco, quanto na Paraíba, por se tratarem de pontos turísticos, onde também é grande a quantidade de pessoas disputando a rua com os veículos. Enquanto o pavimento asfaltico, não é recolocado os veículos estão utilizando uma única pista, como mão e contra mão.
No centro da cidade, também é constante o estouramento de bocas de lobo. Fato como este ocorreu na Av. Souza Filho, na semana que passou, apesar de a manutenção ter ocorrido rápido. A Compesa precisa dar uma resposta urgente á população quando se trata dos serviços de manutenção dos sistemas de esgotamento sanitário e distribuição de água, até porque os recursos anunciados pelos governos do Estado através da Secretaria de Recursos Hídricos e Federal por intermédio do Ministério da Integração Nacional, oriundos do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC-02,) ultrapassam a casa dos R$ 100 Milhões. A periodicidade com que as faturas chegam aos consumidores, não traduz a qualidade dos serviços oferecidos.

Por Claudio Farias

Categorias Sem categoria