É possível ter férias com muita diversão e gastando pouco?

As crianças e os adolescentes estudam 200 dias letivos, aproximadamente quatro horas de aula por dia ou mais. Dentro de um contexto de muita pressão, corre-corre, cada qual vivendo uma realidade nem sempre tão boa. Uns em escola pública, outros em escola particular, mas todos com direito às férias. E agora, os filhos entraram de férias e os pais não? Ou todos entraram, mas a grana está curta para passeios, viagens e ida aos shoppings? O que fazer? Como fazer?

Não saberia lhe dizer, com precisão, o que fazer. Contudo, tornar a convivência familiar mais leve e alegre é um excelente começo. Quando a família reconhece que o maior problema das férias está sendo o dinheiro, precisa conversar com os filhos sobre essa necessidade. Nada em tom de miséria, mas de alegria por tudo que se viveu durante o ano. O investimento em escola, na alimentação, plano de saúde, roupas e algumas diversões, mesmo que tenham sido tão simples. Para uma família que vive de salário ou que fez a opção em investir nos estudos dos filhos, as férias não deve ser esperada como o grande momento de uma viagem à Disney ou um passeio no melhor parque de diversões.

Para que não haja frustrações nem cobranças, antecipadamente, pais e filhos deverão programar as férias de acordo com suas possibilidades. Agora, se a família não tem o que oferecer aos filhos durantes as férias, porque todo ano tem de trocar de carro ou porque os pais passaram do limite em gastos por desejos e não por necessidade, será preciso rever os princípios que regem a família.

Crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos todos precisam de descanso, de lazer. Jogar conversa fora, comer uma pizza e tomar um sorvete. Tomar uma bola de sorvete, passear na praça de bicicleta, visitar um parente próximo, convidar um coleguinha para passar o dia em nossa casa, fazer pipoca para assistir a um filme, promover uma “noite do pijama”, ajudar a mãe nas atividades domésticas, ajudar o pai a lavar o carro ou sair com cada filho separadamente para passear são sugestões de diversão. Principalmente essa última dica. Cada filho diz aos pais, dentro do valor estipulado por eles, em que lugar gostaria de ir para se divertir.

Nesse dia, os irmãos não deverão estar juntos. Os filhos adoram! Sentem-se filhos únicos por um dia. O que nunca deverá acontecer é a ausência de viagens se tornar um peso familiar. Muito menos os pais jogarem na cara dos filhos os motivos que os levam a não poderem se divertir, tanto quanto os filhos esperam. Então, vamos encontrar nossa maneira de nos divertir?

Fonte Canção Nova online

PASCOM

Categorias Destaque 2 Notícias Religião