A vida é sagrada nas suas diversas etapas

A Igreja no Brasil iniciou neste domingo, 1º de outubro, a Semana Nacional da Vida. Neste ano, as reflexões estão em sintonia com o Ano Nacional Mariano, com o tema “Bendito é o fruto do teu ventre”. Até o dia 7, será o momento para levar às comunidades uma reflexão mais aprofundada sobre agressões que a vida sofre no mundo de hoje. No dia 8, a iniciativa é encerrada com o Dia do Nascituro, dedicado às crianças que ainda vão nascer.

De acordo com o bispo de Osasco (SP) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom João Bosco Barbosa de Sousa, a Semana Nacional da Vida é assumida pela Pastoral Familiar e deve levar a todas as comunidades uma reflexão mais aprofundada sobre “as muitas agressões que a vida sofre no mundo de hoje tão marcado pela discriminação, pela exclusão, pela liquidificação dos valores morais, que vão caindo cada vez mais e valores importantes para a vida humana”. Para o bispo, diante dessas questões presentes no dia-a-dia dos brasileiros, a resposta dos cristãos deve ser dada a partir do Evangelho, a partir do ensino da Igreja.

O Dia do Nascituro celebra o direito à proteção da vida e saúde, à alimentação, ao respeito e a um nascimento sadio para a criança que está no ventre materno. “Aquele que vai nascer, o nascituro, tem o seu direito à vida, não só o direito de viver, mas desenvolver-se com qualidade e poder se tornar um ser humano integral. Então essa semana é extremamente importante para todos nós”, pontua dom João Bosco.

A Semana Nacional da Vida parte da dinâmica de defesa da vida e é celebrada oficialmente desde 2005 quando foi oficializada pela Assembleia da CNBB naquele ano. Antes disso, porém, desde a década de 1980 aconteciam iniciativas, como campanhas, aprofundamentos, encontros e cursos relacionados à temática.

A temática deste ano, ligada ao Ano Mariano, sugere que Maria seja modelo, pois tem no seu ventre uma criança que é o próprio filho de Deus. “Assim, existem muitas mulheres que trazem no seu ventre também os seus nascituros, os seus filhos que vão nascer, e aí está um ponto de partida para a gente compreender toda a sacralidade da vida. A vida é sagrada nas suas diversas etapas e deve ser defendida desde o momento da concepção”, explica o bispo, que também preside a Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF).

“Há muitas pessoas que pensam de forma diferente e acham que a vida pode ser eliminada se ela nos incomoda, que pode ser eliminada se ela não é ‘perfeita’, ‘porque o feto não tem direitos, quem tem é a mulher de preservar o seu corpo…’ Mentira! É um ser humano! Um ser humano que tem direitos, sim, e que por isso deve ser extremante cuidado, especialmente por ser muito frágil”, exorta.

Fonte CNBB

Por PASCOM

 

Categorias Destaque 2 Notícias Religião